terça-feira, 31 de março de 2009

Nadando contra a maré

O que realmente liberta?
O típico clichê alienadamente reproduzido “O conhecimento liberta”, incomoda além da conta. Vamos colocar os pingos nos Is.
Que conhecimento é esse que liberta?
Francamente sou totalmente contrária a esta ideia. Nado contra esta maré. Quanto mais sabemos mais angustiante se torna a vida. Isso não é pessimismo. É a realidade.
Veja se não é desesperador saber destas coisas:
Nos próximos 25 anos nascerão mais 2.000.000.000 de pessoas.
Desse total, cerca de 93% nascerão em países em desenvolvimento, lugares onde atualmente...

• 20% da população mundial detêm 82,7% das riquezas.
• O hemisfério norte consome 70% da energia mundial, 75% dos metais, 85% da madeira e 60% dos alimentos.
• A renda média nos países mais ricos é 37 vezes maior do que a renda média nos países mais pobres.
• Nos países ricos, menos de 5% das crianças menores de 5 anos estão mal nutridas. Nos países mais pobres, 50% das crianças têm algum problema de saúde por não comer o suficiente.
• Existem 800 milhões de pessoas desnutridas no mundo.
• 11 mil crianças morrem de fome a cada dia.
• Mais de um bilhão de pessoas no mundo não dispõe de água potável.
• 40% das mulheres dos países em desenvolvimento são anêmicas e encontram-se abaixo do peso.
• 1 a cada 7 pessoas morre de fome no mundo.
• 1 criança morre a cada 7 segundos de fome no mundo.
• 300 milhões de adultos são obesos no mundo.
• 1 litro de óleo combustível usado pode contaminar 1 milhão de litros de água.
• 1 em cada 6 pessoas vive com menos de 1 dólar por dia no mundo.
• 114 milhões crianças não recebem instrução sequer ao nível básico no mundo.
• 584 milhões mulheres são analfabetas.
• Mais de 6 mil pessoas morrem diariamente por doenças provenientes de água não-potável.
• Mais de 32 mil pessoas são mortas por ano no Brasil vítimas de armas de fogo.
• 42 mil pessoas morrem por ano vítimas de acidente de trânsito no Brasil.
• O ativo dos 3 homens mais ricos do mundo juntos excede o PNB dos 48 países mais pobres do mundo no seu conjunto.
• Somente 37% do papel de escritório é realmente reciclado, o resto é queimado.
• Apenas 1% do óleo consumido no mundo é reciclado.
• Os problemas ambientais são responsáveis por 25% das mortes anuais no mundo.
• 6 mil pessoas morrem por dia de AIDS.
• 8.200 pessoas são infectadas com AIDS, a cada dia.
• 1 milhão crianças morrem por ano, vítimas de malária.
• Em média, um canadense utiliza 6 vezes mais água por dia do que um indiano e 30 vezes mais do que um habitante de uma zona rural do Quênia.
• 4 mulheres são espancadas a cada minuto no Brasil.
• 18 mil crianças são espancadas diariamente no Brasil.
• Maus-tratos matam 16 crianças por dia no Brasil.
• 80 mil crianças morrem por ano em todo o mundo vítimas de negligência, agressões, abusos e exploração.
• Cerca de 5 milhões de crianças e adolescentes com menos de 15 anos trabalham atualmente no Brasil.
• 75% das crianças agredidas dentro de casa tem menos de 10 anos de idade.
• Mais de 75 mil pessoas morrem todos os anos por causa do álcool.
• 10% das mulheres no mundo são alvo de estupro.
• Os 5 maiores vendedores de armas do mundo são EUA, Inglaterra, Rússia, França e China, membros permanentes do conselho de segurança da ONU.
• Apenas 50 anos foram suficientes para uma devastação de mais de 50% das florestas tropicais na América do Sul e em pouco mais de um século, de mais de 70% das florestas do planeta.
• Apenas 1% do DNA humano difere do DNA dos macacos.
Coisas tão reais que chegam a adquirir uma conotação de fantasia, de uma realidade distante.
Talvez tenha sido por constatações como estas que tantos ativistas e líderes acabaram consumindo suas vidas com a mesma velocidade com que piscamos os olhos.
Agora diga: Saber de tudo isso te libertou de que? De nada! Saber de tudo isso nos acorrenta à insanidade humana.
Talvez já tenha passado pela sua cabeça a ideia de Uma casinha de sapé. A simplicidade e essência da vida na menor partícula da existência. Um mero lavrador encara a vida com uma altivez que muito executivo deixaria a desejar.
Estamos todos reproduzindo cotidianamente comportamentos, conhecimentos e dogmas os quais nem nos damos ao trabalho de verdadeiramente questionar. Repetir o que se encontra hermeticamente pronto é tão mais simples quanto abrir uma embalagem de leite longa vida. Mas esta talvez seja a mais frágil interpretação do mundo ao nosso redor.
Deveríamos ter conservado a curiosidade inerente à criança. Exercitar o porquê dos porquês. Esgotando todas as alternativas, na busca do crescimento.
Tornar sua a verdade do outro não é, e nem nunca será, capaz de libertar.
A verdadeira liberdade está no fato de olharmos algo em todas as suas variações. Enfim, formular nossos próprios caminhos, iluminar nossa grande jornada.
No mais, só me resta concordar com a celebre frase de Albert Einstein:

"Somente 2 coisas são infinitas, o universo e a estupidez humana, mas eu não estou tão certo quando a primeira."
LEIA MAIS

quinta-feira, 19 de março de 2009

E o mundo tornou-se fêmea !

Você toma pílula anticoncepcional ou utiliza algum método contraceptivo à base de hormônios? Por que pergunto?
Já, já você vai entender.
Agora outra pergunta: já ouviu falar em Conversores de Gênero?
A grande maioria nunca ouviu falar.
Conversores de Gênero são substâncias químicas produzidas pelo homem capazes de alterar e danificar o aparelho sexual, em especial o masculino.
Peraí, não estou falando em algo especialmente criado para quem desejaria mudar de sexo. Estou falando de algo totalmente fora de controle.
Algo que poderá trazer desastrosas conseqüências para a evolução, não só humana, bem como a animal e vegetal.
Uma espécie de feminização dos machos das espécies vertebradas.
Agora onde as pílulas entram nisso?
Os hormônios contidos em métodos contraceptivos são secretados através da urina de seus usuários, entram na água, que é tratada e reaproveitada. Agora pasmem: nenhum método de tratamento ou purificação elimina os hormônios da água.
Logo, podemos concluir que ingerimos doses diárias de hormônios sexuais, sem ao menos termos conhecimento.
E esse novelo ainda é muito mais extenso.
Todos os vertebrados têm receptores hormonais semelhantes. Então, agora encontramos peixes machos que produzem ovos em seus testículos, sapos cururus que se tornaram hermafroditas, crocodilos com pênis menores, tartarugas que originam ninhadas 90% femininas, estorninhos machos que cantam como fêmeas, ursos polares com pênis e vagina.E a lista não para por aí. Orcas, alces, camundongos, baleias belugas, antílopes...
Todos sofrendo ameaça de extinção por nossa causa.
O alarme pode até ter disparado quando percebemos um aumento no número da população feminina, além do aumento nos índices de homossexualismo masculino.
A máxima “Tá faltando homem” já pode ser considerada um eufemismo. A coisa toda é muito séria.
Os mais minimalistas poderiam pensar: “Bom, deixa os animais pra lá. Eu não estou sendo atingido”.
Ledo engano.
Estudos mais aprofundados já mostram que a carga indesejada de hormônios pode ser, e é, transmitida para seres humanos através da nossa cadeia alimentar. Um simples filé de peixe pode ser encarado como uma potencial dose de hormônio sexual.
Então não é de se espantar o fato de que nascem mais meninas do que meninos. Calcula-se que apenas nos EUA e Japão 250 mil crianças que teriam nascido meninos, acabaram por nascer meninas.
A problemática vai muito além do mero aumento da população feminina. Ela perpassa pela emasculação de toda a população masculina existente.
Especulando um pouco, você tem um amigo ou conhecido que de uma hora para outra passou a ter inclinações homossexuais? Isso também vem sendo avaliado como possível influência das substâncias Conversoras de Gênero, pois um grande consumo de hormônios sexuais femininos pode tornar viável a feminização das espécies masculinas. Um verdadeiro pesadelo.
Ongs do mundo inteiro já começam movimentos contra os chamados “Perturbadores Endócrinos” ou "Conversores de Gênero". Ainda são muito poucas as informações disponíveis sobre esse tema e muitas pesquisas ainda encontram-se em andamento.
A evolução dessa desenfreada feminização é muito mais rápida e voraz do que nossa lenta tecnologia biológica.
O que podemos fazer?
Por enquanto muito pouco.
Os tais “Conversores de Gênero” estão nas embalagens de alimentos, cosméticos, talcos para bebê, pesticidas...Isso sem falar nos alimentos propriamente ditos.
A magnânima Comissão Européia admitiu que das mais de 100 mil substâncias químicas a que somos expostos cotidianamente, 99% não são adequadamente reguladas, e, caiam duros agora, várias delas são classificadas como Perturbadores Endócrinos, por sua capacidade de interagir e interferir em hormônios sexuais, entre outros.
Voltando ao nosso papel e ao que pode ser feito.
Eu já vesti a camisa da ong Rede Mundo Melhor e sou uma multiplicadora da Campanha Laços, uma iniciativa que combate à proliferação e o uso dos Conversores de Gênero. Converso com mulheres que usam pílulas anticoncepcionais esclarecendo sobre como o “xixi” delas está colaborando com o extermínio das espécies masculinas.
Se você conhece alguém que toma pílulas incentive-a a utilizar um outro método. Pode parecer pouco. Mas com sua pequena ajuda estaremos reduzindo os índices de estrógenos na natureza. Garantindo a perpetuação da nossa espécie e de várias outras.
Abrace essa ideia.

* Este texto foi publicado na Revista Folha da Praia, Edição 125, de 2009, com autorização da Editora deste blog.
LEIA MAIS

quinta-feira, 12 de março de 2009

Dolores Reinventada

Descrevendo a vida de personagens essencialmente comuns, Wally Lamb vai tecendo uma trama repleta de sentimentos e emoções. Fruto de um trabalho de oito anos, o livro mergulha no âmago da família, da sociedade, do próprio ser humano.
A personagem tema, Dolores Price, é uma típica criança americana, vivendo em uma família desestruturada e sem amor. Ainda na infância, passa por maus bocados quando seus pais se separam. Angustiada, ela ainda tem que atrelar à perda da figura paterna, a imposição de uma nova forma de vida, ao lado da mãe e de uma avó da qual não gosta nem um pouquinho.
Como se não bastasse tudo isso, a metamorfose da adolescência se apresenta de uma forma violenta e intrincada, recheada de conflitos próprios de sua idade e outros para os quais a jovens não está preparada. E quando tudo parecia não poder piorar, ainda lhe acontece o pior dos reveses: um estupro.
Fechada em seu próprio casulo de dor e mágoas, ela chega aos 17 anos e aos 129 quilos. Um reflexo direto da sua autodestruição. É justamente neste período que encontramos várias críticas veladas feitas pelo autor, sobre a influência da TV, a ilusão do sonho americano, o divórcio, as relações de fachada, o preconceito contra idosos, mulheres separadas, pobres e negros.
Durante toda sua vida, a personagem título engoliu segredos sujos e alimentou culpas, numa bad trip só aliviada por seus nobres sentimentos.
Dolores havia chegado ao fundo do poço, numa situação totalmente sem esperança. Mas o caminho não é só feito de pedras.
Neste romance a capacidade de superação humana é testada ao extremo.
A sucessão vertiginosa de acontecimentos acaba por criar em Dolores um desejo latente de mudança, de encontrar um rumo em sua vida vazia.
Fugindo do precipício, ela emerge em busca de seu destino, assim como as baleias que tanto admira emergem em busca de ar.
Dolores nos prova que nunca é tarde para acordar, nunca é tarde para lutar.
Sem sombra de dúvida, Dolores Reinventada é um livro impregnado de coragem e obstinação.
Uma surpreendente viagem em busca do auto-conhecimento.
Não é a toa já ter vendido mais de 3 milhões de exemplares apenas nos Estados Unidos.

O Autor fala sobre Dolores:

Quando eu estava escrevendo Dolores, preocupava-me com ela como se fosse minha filha problemática. Uma filha muito bonita e incontrolável. Eu nunca me senti comandando a história dela. Ela nos puxava através dessa estratégia. De vez em quando, eu me preocupava com isso a ponto de não tentar escrever as situações que imaginava. Lembro-me de que uma delas foi quando Dolores é estuprada por um vizinho.”
Traduzido do site Word Riot

*Wally Lamb tem 59 anos, foi diretor do Centro de Redação da Norwich Free Academy e atualmente é professor do Departamento de Inglês da Universidade de Connecticut.

Outros livros:

  • I know this much is true -1998
  • Couldn't Keep it to Myself: Testimonies from Our Imprisoned Sisters (2002)
  • I'll Fly Away: Further Testimonies from the Women of York Prison (2007)
  • The Hour I First Believed (2008)
LEIA MAIS

terça-feira, 10 de março de 2009

3 Orgulhos - My Proud - 3 Links



Idéias de Barbara ganhou mais um selo.
Obrigada Ana Gabi pela gentileza e desculpe a demora em publicar. O Gif do post é pra ti, querida.
Esse foi bem complicado...
Vamos lá...


Regras:

1- Indicar e linkar a pessoa que te indicou.
2 - Postar as regras do selo/meme em seu Blog.
3 - Contar os 3 posts, do seu Blog, que você mais tem orgulho de ter feito.
4 - Indicar mais 3 pessoas e incluir o link delas no post.
5 - Deixar um comentário no Blog indicado, informando a sua indicação.


Meus preferidos:

Cuspe e Giz – Sobre minha experiência em “estar” professora

Vamos falar de amigos – Sobre amizade. Foi o primeiro post do Blog

Besteirinhas – Sobre a vida e tudo mais...


Meus Indicados são:

A Dona do Mundo

Prince Cristal

Puxadinho Mundo Insano
LEIA MAIS

domingo, 8 de março de 2009

Rompendo Grilhões


Já bati muito nessa tecla: Preconceito.
Etâ palavrinha mais presente em nosso cotidiano.
Está enraizado em nossos mais obscuros e secretos pensamentos.
Aliás, a idéia inicial contida na própria palavra já diz tudo.
Pre - Conceito nada mais é do que conceituarmos ou classificarmos, previamente, alguém ou alguma coisa. É o real pré-conceber algo.
Mas como se pode conceituar ou rotular alguém antes mesmo de determos conhecimentos sobre ele (a)?
A maioria das pessoas realmente não refleti sobre o porquê de ter preconceito sobre isso ou aquilo. Apenas reproduz mecanicamente algo que assimilou por osmose ou criação pessoal.
Somos verdadeiramente diferentes por termos tons de pele distintos? Ou por nascermos ricos ou pobres, normais ou deficientes, homens ou mulheres?
Ainda são muito poucos aqueles que se colocam no lugar do outro. Mas a vida é uma highway, sempre será. Se você já assistiu o maravilhoso À espera de um Milagre vai entender muito bem o que digo.
Tudo tem dois lados, o que não é pressuposto para que taxemos isso de bom ou aquilo de ruim. Isso certo ou aquilo errado.
Preconceituar, discriminar, nos torna falhos naquilo em deveríamos ser perfeitos: o amor ao próximo, ou melhor, o amor puramente essencial.
Na verdade, concordo com o que diz Paulo Coelho (mesmo que você o ache piegas não importa) no livro O Dom Supremo:
“O único mandamento é Amar.”

Quando amamos não desrespeitamos ou discriminamos ninguém.
Quando amamos o mundo e as pessoas a nossa volta tornam-se um só.
Quando amamos entendemos que o “Próximo”, aquele tão enfatizado nos ensinamentos Bíblicos como alguém que necessita de nós, pode não ser apenas aquele flagelado de Bangladesh. O “Próximo” pode ser literalmente quem está nesse exato momento, aí do seu ladinho, sofrendo em silêncio, arrastando pesadas, correntes invisíveis.
Vamos partir os elos que nos atam a estes paradigmas falidos da idéia preconcebida de preconceituar.
E com certeza a nossa vida terá uma outra conotação, um outro sentido.
Dedico este texto a minha linda amiga Paloma e seu fofo Ícaro.
LEIA MAIS
Related Posts with Thumbnails